Volkswagen é acusada de fraudar resultados em teste de poluentes.

Segundo a Agência de Proteção Ambiental (EPA) norte-americana, 482 mil veículos com motores a diesel vendidos no país violaram os padrões federais, entre eles os modelos Jetta, Beetle, Golf, Passat e o Audi A3, que pertence ao grupo Volkswagen, todos eles foram fabricados entre 2009 e 2015.

Após a acusação, a Volkswagen admitiu que 11 milhões de veículos a diesel em todo o mundo tiveram um software instalado que manipulava os resultados de emissões de gases tóxicos.

 

Como surgiu essa denúncia.
A desconfiança partiu da diferença entre níveis de emissão encontrados em testes de rodagem e os oficiais. Após investigar, a EPA concluiu que um software instalado pela montadora detecta quando o carro está sendo inspecionado para verificar o nível de emissão de poluentes e só então passa a controlar os gases que o veículo solta na atmosfera.
Esse controle fica desligado em situações normais de rodagem, fazendo com que os carros poluam muito além do nível exigido no país.

 

Em outros países.
Apesar de admitir que a falha atinge outros mercados, a Volkswagen não especificou em que outros países estão esses carros nem quais são os modelos e marcas. Disse apenas que eles utilizam o motor EA 189, que é 2.0 litro.

Nos Estados Unidos, a Volkswagen será obrigada a consertar os veículos gratuitamente, convocando um recall. A montadora disse que também está em contato com o governo alemão, que pediu uma apuração do caso.

No Brasil, a lei não permite veículos leves com motores a diesel. Apenas picapes e SUVs podem rodar com esse combustível, além de caminhões e ônibus. O único carro vendido pela Volkswagen no país com motor a diesel é a picape Amarok.

 

Presidente da Volkswagen renuncia.
Após o escândalo, o CEO da Volkswagen, Martin Winterkorn, renunciou o cargo, o substituto será anunciado na próxima sexta-feira.



Voltar