Em contramão à crise, os consumidores de maior poder aquisitivo estão exigindo carros mais completos e equipados, como por exemplo, o Renegade, que acabou de chegar ao mercado e já conta com uma linha especial, a Limited, que atende aos pedidos desse outro tipo de consumidor.

De acordo com o dirigente da FCA (Fiat Chrysler Automobiles), diferente do segmento de entrada, em que a crise é bem mais aparente e pesada, os motoristas que consomem carros topo de linha, estão pedindo por carros cada vez mais sofisticados.

Os dados de evolução de venda confirmam a fala do dirigente, enquanto marcas ditas “mais populares”, que atuam na base do mercado, caem:

Fiat (-33,6%),
Volkswagen (-32,9%),
GM (-30,8%).

As que atuam no topo do mercado estão dando uma clara alavancada:

Mercedes-Benz (+44,3%),
Audi (+40%)
Volvo (+17,4%).



Voltar